A Cúria Romana

A Cúria Romana é o conjunto de órgãos e pessoas que auxiliam o Papa no governo da Igreja, tanto na ordem espiritual quanto material. Este nome foi usado pela primeira vez no século XII, mas a sua realidade data dos primeiros séculos da Igreja. Já em meados do século III as crônicas relativas ao Papa Fabiano (236-250), mostram que ele tinha, como auxiliares, Bispos, presbíteros e diáconos.

No século XVI, em 1588, a Cúria foi estruturada na forma que tem hoje, sofrendo reformas com o passar do tempo.

Até 1870, existia o vasto Estado Pontifício, então os Papas precisavam de muitos colaboradores que exercessem a gestão temporal desses territórios.

O primeiro documento que definiu a estrutura da Cúria Romana é a Constituição Apostólica Immnensa Aeterni Dei do Papa Sisto V, de 22 de janeiro de 1588. Foram constituídas quinze Congregações confiadas à chefia dos Cardeais. Foram as seguintes:

  1. Santa Inquisição
  2. Index dos Livros Proibidos
  3. Signatura Apostólica
  4. Congregação para a Liturgia
  5. Congregação para os dias Santos
  6. Congregação para os Consistórios
  7. Congregação para a Interpretação e Aplicação do Concílio de Trento
  8. Congregação para a consulta dos Bispos
  9. Congregação para as Universidades e Estudos Teológicos
  10. Congregação para a Imprensa Vaticana
  11. Anona – Departamento de Assistência aos Pobres
  12. Congregação para a Marinha do Estado Pontifício
  13. Departamento de Finanças
  14. Congregação para o Bem Estar Público
  15. Congregação para a Justiça Civil e Criminal

Em 1870, com a queda do Estado Pontifício sob os golpes do reino da Itália, alguns órgãos perderam a razão de ser, e a Cúria foi reformada pelo Papa S. Pio X, através da Constituição Sapienti Consilio. Foram extintos todos os órgãos e Ofícios destinados a tratar de assuntos políticos do Vaticano.

Em 1967, dois anos depois de encerrado o Concílio Vaticano II, o Papa Paulo VI, através da Constituição Apostólica Regimini Ecclesiae Universae, reformou mais uma vez a Cúria, adaptando-a as novas exigências oriundas do Concílio.

Finalmente, em 1988, o Papa João Paulo II, através da Constituição Pastor Bônus, refez a organização da Cúria. Na ocasião, o Papa disse as palavras:

“A Igreja hoje se vê diante de tarefas de extensão, importância e variedade talvez nunca atingidas outrora... Que a Cúria correspondesse fielmente à Eclesiologia do Concílio Vaticano II, fosse adaptada em tudo à missão pastoral da Igreja e capaz de ir ao encontro das necessidades concretas da sociedade religiosa e civil”.

A organização e o governo da Igreja são diferentes das organizações de demais governos dos outros países, pois a Igreja não é uma instituição apenas humana. Foi instituída por Cristo, que é a Sua Cabeça; logo, seu governo foi definido pelo próprio Senhor, que a quis governada por Pedro (Mt 16, 16-19; Lc 22, 31; Jô 21, 15-17), que goza da assistência do Espírito Santo (Jo 14, 26; Jo 16, 13-15) para não permitir que o depósito da fé se corrompa pelo erro.

6 comentário:

Anônimo disse...

Gostei de encontrar e ler esta clara síntese da Cúria Romana.

Anônimo disse...

poderia ser mais específico,ficou vago

Anônimo disse...

Ótima sintese, simples e direta.

Anônimo disse...

A Santa Inquisição ainda existe?

Jose Mendes disse...

Gostei porque até então eu não sabia o que era a cúria romana.

Anônimo disse...

Achei ótimo,esclareceu minhas dúvidas.

Postar um comentário

Não será permitidos comentários agressivos nesse blog. Se acontecer, será excluído.
Você pode postar esse comentário usando sua conta do orkut, clicando no GOOGLE, ou postar como anônimo.